7 Motivos para fazer mestrado e doutorado em Direito no exterior

Você já pensou em fazer mestrado e/ou doutorado em Direito no exterior? Saiba que estudar em outro país é uma ótima maneira de enriquecer o seu currículo e aumentar as suas oportunidades na no mercado de trabalho. 

Além disso, a experiência se torna um divisor de águas em sua vida profissional e, até mesmo, pessoal. Dessa maneira, essa vivência traz diversos benefícios que estudar no Brasil, talvez, não traria. Quer saber quais são?

Então continue a leitura e conheça 7 motivos para fazer mestrado e doutorado em Direito no exterior!

1) Atualização e força no currículo

Um currículo atualizado é fundamental para conquistar as melhores oportunidades de trabalho. Uma das maneiras de fazer isso é cursando mestrado e/ou doutorado em Direito no exterior. Estudando em outro país, você entra em contato com outras culturas e realidades.

No âmbito do Direito, isso é imprescindível para obter a bagagem necessária para atuar, principalmente em casos e situações mais desafiadoras. Além disso, ter a experiência de estudar em uma instituição internacional agrega força ao currículo, destacando você dos demais profissionais.

2) Aumento da rede de contatos

O networking é o conceito de trabalhar a sua rede de contato com objetivo de trocar informações relevantes e obter colaboração mútua. Assim, esse ato pode ajudar você a encontrar melhores vagas de emprego, conseguir investidores para um negócio, conquistar clientes ou ter uma promoção no trabalho.

Ao estudar no exterior, você amplia a sua rede, pois entra em contato com pessoas de outros países. Dessa maneira, a troca de experiência dentro de sala de aula pode resultar em negócios e indicações para empregos e parcerias internacionais.

3) Ganho de fluência em um segundo idioma

Não é novidade que falar um segundo idioma deve ser prioridade para quem almeja uma carreira de sucesso. Afinal, com a globalização é possível encontrar clientes e investidores em toda a parte do mundo, e nunca se sabe quando uma oportunidade dessas pode aparecer.

Dessa forma, é imprescindível que você esteja preparado para lidar com essas pessoas. Para estudar no exterior não é necessário ter fluência em outras línguas, porém isso acontecerá de forma natural, pois você estará em contato diário com outro idioma.

4) Internacionalização do seu currículo

Trabalhar em uma multinacional é um objetivo para você? Saiba que ter mestrado ou doutorado em Direito no exterior é um diferencial em seu currículo. Ter um certificado internacional fortalece suas competências, chamando atenção dessas empresas.

Tal em razão de que as grandes companhias entendem que o profissional que estuda no exterior está apto a assumir compromissos em qualquer país. Sendo assim, você encontra as melhores oportunidades de construir uma carreira consolidada em uma multinacional.

5) Custo menor do que fazer mestrado/doutorado no Brasil

Você sabia que estudar no exterior pode ser mais barato do que você imagina? Pois é isso mesmo! Existem opções de cursos em Direito na América América Latina com menor custo do que as pós-graduações oferecidas no Brasil.

Isso acontece porque esses cursos apresentam matérias em sua grade curricular que podem ser feitas a distância. Dessa maneira, você tem a oportunidade e os benefícios de um diploma internacional, podendo cursar grande parte das disciplinas no Brasil.

6) Diplomas reconhecidos no Brasil

Uma das maiores dúvidas de quem deseja estudar fora do país é em relação ao diploma internacional. Será que o certificado é válido no Brasil? E se eu fizer o mestrado ou doutorado em instituições fora do país, mas não puder atuar em terras brasileiras?

Na prática, o Ministério da Educação (MEC) pode reconhecer o diploma de mestrado ou doutorado após conferir a documentação do formado. Existem duas possibilidades: a tramitação normal e a tramitação simplificada.

Na primeira, o MEC avalia o curso, a dissertação, o corpo docente e outros critérios específicos por meio de uma comissão especializada. Esse procedimento pode levar até 180 dias. Já na segunda forma, somente a documentação é avaliada, tendo um prazo de até 60 dias para a conclusão.

Ou seja, ao estudar em uma instituição internacional renomada, você consegue validar o seu diploma no Brasil e atuar no país tranquilamente.

7) Subir de cargo e aumento de oportunidades na carreira

Ao estudar no exterior, você trabalha a sua capacidade de adaptação a outras culturas e a situações inesperadas. Desse modo, essa experiência pode ajudar a expandir os seus horizontes, adquirindo habilidades importantes para cargos de alto escalão, como flexibilidade, resiliência e resolução rápida de problemas.

Saiba que o mercado de trabalho valoriza essas características, especialmente as multinacionais que precisam de colaboradores dispostos a vestir a camisa da empresa. Por essa razão, se você deseja ter melhores oportunidades na carreira, não pode deixar de fazer mestrado ou doutorado em Direito no exterior.

Ao longo deste artigo, você pôde conhecer 7 motivos para fazer mestrado ou doutorado no exterior. Se você se interessou nessa oportunidade, conte com o Instituto Internacional de Educação (IIES) para ajudá-lo em todo o procedimento e realizar o desejo de estudar em uma instituição internacional.

Quer saber quais cursos estão disponíveis para você estudar pelo IIES?

Acesse o nosso site e confira as opções!

Como criar um currículo internacional e se candidatar em empresas internacionais

Se você pretende trabalhar em uma multinacional ou em empresas internacionais, é fundamental saber como criar um currículo internacional. Se a elaboração desse documento para o mercado de trabalho brasileiro costuma gerar dúvidas, imagine produzi-lo para empresas estrangeiras?

Pensando nisso, resolvemos trazer este post a fim de esclarecer as principais questões sobre o assunto. Para saber mais, basta continuar a leitura.

Vamos lá? 

Afinal, como elaborar um currículo internacional?

Sabemos que criar um currículo internacional pode não ser uma missão fácil. Portanto, reunimos as principais dicas para você elaborar um documento que o ajude em sua carreira.

Confira!

Seja sempre sincero

O primeiro passo para criar qualquer currículo é utilizar a sinceridade, mesmo que você não apresente certas qualificações, como domínio de outro idioma ou o status do seu visto de trabalho. Esconder ou fantasiar essas informações pode prejudicar seriamente a sua carreira.

Lembre-se: mentira tem perna curta, e mais cedo ou mais tarde a empresa descobrirá a falta de honestidade. Se você mentir sobre a fluência em inglês, por exemplo, logo será descoberto na entrevista, não é mesmo? Portanto, haja sempre com a verdade para conquistar a confiança dos recrutadores.

Vá direto ao ponto

O principal objetivo de um currículo é mostrar ao recrutador as suas habilidades e qualificações. Durante uma seleção de emprego, esse profissional examina diversos documentos. Por isso, a tendência é que ele faça uma leitura seletiva nos currículos que se estendem sem necessidade, a fim de agilizar o seu trabalho.

Por isso, é importante criar um documento que seja conciso e simples, ou seja, que vai direto ao ponto. Assim, você demonstra que é uma pessoa objetiva e aumenta as chances de chamar atenção dos recrutadores. 

Lembre-se de informações variadas de contato

Outro ponto importante na hora de elaborar o seu currículo internacional é incluir diversas formas de contato. Isso porque não são todos os países que costumam utilizar o WhatsApp, como no Brasil. Assim, você evita perder oportunidades por falta de comunicação.

A seguir, confira alguns dos dados que você pode colocar no documento:

  • endereço;
  • telefone/celular;
  • e-mail;
  • Skype;
  • WhatsApp;
  • perfis nas redes sociais profissionais, como Instagram, LinkedIn e Facebook.

Faça uma opção em inglês

O inglês é a primeira língua mais falada no mundo, sendo considerado o idioma universal. Desse modo, é importante que você tenha um currículo internacional em inglês. Assim, fica mais fácil se candidatar às vagas das empresas pelos diferentes países do mundo.

Isso significa que você pode enviar um currículo em inglês, mesmo que não seja a língua daquele país. No entanto, vale confirmar se a multinacional pede um idioma específico para receber o documento. Nesse caso, se a língua for diferente da inglesa, é importante traduzir o currículo.

Nesse contexto, lembre-se que não basta colocar o documento no Google Tradutor, pois o resultado pode não ser uma tradução muito fiel. Se você não souber escrever em outra língua, contrate um profissional para fazer isso.

Estude a vaga em detalhes

Um detalhe que faz toda a diferença na hora de criar um currículo internacional é direcionar o conteúdo para a vaga que você deseja. Para isso, pesquise sobre o que a empresa procura em um candidato e sobre as regras gerais do país em que ela se encontra.

Então, liste as experiências que realmente importam para o cargo que você está concorrendo e evite criar um currículo internacional genérico para todos os recrutadores. Nesse sentido, se você já tiver um currículo universal, faça uma revisão adequando o material para cada vaga.

Busque referências

As referências são importantes na hora de elaborar um currículo internacional. Elas ajudam a entender como criar o documento nos moldes internacionais. Sendo assim, peça para um conhecido que entenda ou procure no LinkedIn os modelos de currículos mais utilizados no país que você deseja a vaga.

Dessa maneira, você pode ter insights que ajudam a elaborar um currículo que agrade aos recrutadores.

Tenha cartas de recomendação

No Brasil, as cartas de recomendação não são muito utilizadas, mas em alguns países elas são fundamentais para enriquecer o currículo. Na prática, é comum que empresas desses lugares peçam algum tipo de recomendação aos empregadores anteriores.

Dessa maneira, não deixe de pedir as recomendações para pessoas que possam ser referências, como professores, supervisores e líderes passados. É importante que eles destaquem as suas qualidades e descrevam sobre a experiência que tiveram com você.

Como estudar no exterior sem burocracias? Conheça o IIES!

Para conseguir uma boa vaga em outro país ou em uma multinacional, não basta ter um bom currículo, é importante estudar no exterior. Assim, você atualiza seu currículo, amplia seu networking, ganha fluência em outras línguas e enriquece o seu portfólio profissional.

No entanto, sabemos que muitas pessoas deixam de realizar o sonho de estudar fora do país por conta da burocracia que isso envolve. A boa notícia é que o Instituto Internacional de Educação, o IIES, facilita essa missão para você!

A entidade proporciona a melhor estrutura e acompanhamento para o aluno nos cursos oferecidos pelas mais renomadas universidades internacionais. Dessa maneira, você tem certeza de obter uma educação sólida que trará bons frutos profissionais!

Ao longo deste post, você conheceu dicas para criar um currículo internacional que ajude a conquistar a tão sonhada vaga fora do país. Agora, não deixe de seguir essas orientações e buscar o IIES para estudar no exterior para ter uma carreira brilhante!

Quer saber quais cursos você pode estudar no exterior pelo IIES? Aproveite que está por aqui e conheça o nosso site!

Reconhecimento Simplificado de Diplomas


A tramitação simplificada de reconhecimento de diploma do exterior é uma forma, como o próprio nome afirma, simples de ter o diploma do exterior equiparado perante a lei em todos os direitos de um diploma do Brasil.

A tramitação simplificada deverá se ater, exclusivamente, à verificação da documentação comprobatória da diplomação no curso especificada no art. 7º, observado o disposto no art. 4º, da Resolução Nº3, prescindindo de análise aprofundada ou processo avaliativo específico.

Segundoa legislação atual, a tramitação simplificada para mestrado ou doutorado acontece nas seguintes situações:

  1. Diplomas oriundos de cursos ou programas estrangeiros indicados na lista especifica produzida pelo Ministério da Educação e disponibilizada no Portal Carolina Bori contendo a relação de cursos ou programas que já foram submetidos a três análises realizadas por instituições reconhecedoras diferentes com deferimento positivo. Os cursos assim identificados permanecerão nesta lista por seis (6) anos consecutivos considerando para o início desse prazo a data do último parecer positivo.
  2. Diplomados em cursos ou programas estrangeiros que tenham recebido estudantes com bolsa concedida por agência governamental brasileira no prazo de seis (6) anos.
    Requerentes que concluíram curso no exterior e obtiveram certificados ou diplomas por meio do Programa Ciências sem Fronteiras.
  3. Diplomados que concluíram no exterior um programa para o qual haja acordo de dupla titulação com programa de pós graduação stricto sensu (mestrado e ou doutorado) do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG), avaliado e recomendado pela Capes.

Resumidamente, a tramitação simplificada garante o reconhecimento do diploma de mestrado ou doutorado após conferida somente a documentação e leva em torno de 60 dias.

A diferença entre a tramitação normal do procedimento de reconhecimento de diploma e a tramitação simplificada é que a normal verifica o curso, a dissertação de mestrado ou tese de doutorado, o corpo docente, etc. Isso é feito por uma comissão que emite um parecer e ele é avaliado por algum órgão colegiado da instituição de ensino brasileira que está avaliando o pedido de reconhecimento de título de mestrado ou doutorado. O procedimento normal dura em torno de 180 dias.

Gostou da ideia de reconhecer o diploma apenas pela conferência da documentação?

Nosso Mestrado em Educação pela UDE – Universidad de la Empresa, pode ser reconhecido pela tramitação simplificada, pois já foi submetido a três analises realizadas por universidades brasileiras diferentes.

Matricule-se já!

Novas turmas em janeiro/2022.

Clique aqui e saiba mais

Nossos hermanos têm muito a ensinar sobre mediação de conflitos


Na Argentina a solução de conflitos por meio da mediação está consolidada e com resultados aproveitados pelo governo e por sua população, o que nos possibilita estudar e analisar o modelo adotado pelo país vizinho de forma a aproveitar essa experiência no Brasil, cujo tema é recente. Na década de 90 foram realizadas pesquisas para compreender a situação da justiça e percebeu-se à época que alternativas às soluções judiciais precisavam ser encontradas para desafogar o poder judiciário. Assim, em 1991 uma comissão argentina, estiveram nos Estados Unidos para conhecer o programa de solução alternativa de conflitos. O sucesso exitoso norte-americano inspirou a proposta elaborada e apresentada por tal comissão para o então ministro da justiça da Argentina, que resultou no programa nacional de mediação.

No Brasil a conciliação e a mediação já vêm sendo utilizadas pelos tribunais por meio de resoluções do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Com a aprovação do Novo Código de Processo Civil (CPC), que entrou em vigor em março de 2016, o tema virou lei. Com a mudança, diferente do que acontece hoje, o réu não é mais citado para contestar no prazo de 15 dias, mas sim a comparecer à uma audiência de conciliação. Somente se ela for infrutífera, o prazo de 15 dias para contestação passará a contar. Na lei brasileira, porém, ninguém é obrigado a conciliar, esta opção é facultativa.

O ponto polêmico da discussão está exatamente aí. No modelo argentino a conciliação não é facultativa, mas sim obrigatória. No país vizinho, quando o cidadão ingressa com uma petição inicial ele é obrigado a apresentar uma certidão de que antes de judicializar buscou a conciliação. Caso contrário, a pessoa é encaminhada para tentar uma solução pacífica, evitando o litígio. Nenhum processo entra no Fórum sem antes tentar a mediação.

Das 24 províncias argentinas, 22 já possuem legislação obrigando buscar a conciliação e a mediação antes de ingressar com um processo na Justiça. E os resultados disso? Redução de 30% do estoque processual. O modelo adotado na Argentina já é uma realidade consolidada em países europeus e nos Estados Unidos.

Ao cabo desta história argentina que já completa vinte anos são atribuídos méritos e conquistas importantes a favor da sociedade. Ainda em fase de preliminar, tratou-se de uma proposta ampla que vislumbrava horizontes muito além da esfera do conflito no âmbito judiciário, aliás, os próprios membros da comissão que capitanearam o projeto mostraram que suas preocupações iam além da crise judiciária na qual Argentina se encontrava, ou seja, os conflitos mereciam uma compreensão social e não jurídica.

De forma a aproveitar essa experiência dos hermanos no Brasil e encontrar melhores oportunidades em nosso proveito, o IIES firmou parceria com a Universidad Nacional de Lomas de Zamora para ofertar aos brasileiros o curso de Mestrado em Sistemas Alternativos de Resolução de Conflitos. Saiba mais do curso clicando aqui

Seja um docente de qualidade. Faça Mestrado em Educação!

Sabemos que se tem um profissional que não para nunca de estudar, se atualizar e buscar novas fontes de conhecimento, são os professores. Com a explosão nos últimos anos da tecnologia e a facilitação ao acesso as universidades estes profissionais ganharam alguns desafios a mais na carreira.

Além de ser um diferencial no currículo a maioria das faculdades atualmente exigem que o professor possua título de Mestrado, pois quem já passou por este tipo de formação geralmente acaba se tornando um profissional mais denso e com ponto de vista teórico mais apurado.

Mestrado em educação no Uruguai

O IIES oferece uma grande oportunidade para quem quer conciliar os estudos com a carreira profissional,  o que acaba sendo um grande desafio nos cursos tradicionais. A instituição em parceria com a UDE – (Universidad de la Empresa) montou uma grade diferenciada com aulas do Mestrado em Educação nos períodos de férias estudantis,  o que corresponde aos meses de Janeiro e Julho. O curso tem como país sede o Uruguai o que proporciona aos alunos troca de experiências e o vivenciamento de novas culturas e diferentes pontos de vista.

Os principais objetivos da formação são:

– Melhorar a qualidade da docência.
– Contribuir para reconstruir pontes entre docência e investigação, e entre investigação e tomada de decisões.
– Promover a promoção da investigação e formação de investigadores.

Professor após o Mestrado em Educação

Para conhecer mais sobre estes programas de curso preencha o formulário abaixo.

Nome*

E-mail*

DDD / Celular*

Mensagem

Confirmar seu e-mail com o código:
captcha

Mestrado no Mercosul a nova rota de estudos para brasileiros.

Apesar do momento de dificuldade econômica vivido no Brasil nossa moeda ainda é forte se comparado ao Peso argentino e demais países da América do Sul, o que vem fazendo com que os brasileiros escolham cada vez mais estudar em países do Mercosul como Argentina e Uruguai.

Somando-se todas as despesas de viagem e hospedagem estudar em alguns desses países pode ficar até 30% mais barato que no Brasil.

O que vem sendo levado em conta também é que nestes programas as grades são formatadas para o período de férias de trabalho dos alunos que geralmente ocorrem em janeiro e julho. Já no Brasil os candidatos têm que parar de trabalhar para se dedicar quase que em tempo integral aos seus cursos de Mestrado e Doutorado com bolsas de ajuda de custo com valores muito baixos.

Leia mais

5 Pontos turísticos essenciais para quem viaja para Buenos Aires.

Neste post a equipe o IIES ( Instituto Internacional de Educação) selecionou cinco pontos turísticos que são indispensáveis de se visitar em Buenos Aires. A cidade e repleta de passeios ecológicos e a arquitetura de bairros como Recoleta, San Telmo e Puerto Madero são fascinantes lembrando muito grandes cidades européias. Confira as dicas abaixo e aproveite também para passear enquanto faz seu Mestrado ou Doutorado na Argentina.

La Boca: um bairro encantador pelas cores, é onde a tradição do tango e futebol também são bem evidenciadas ao estilo argentino. O bairro também possui ótimas opções para quem quer apreciar ótimo restaurantes.

Leia mais

Veja como se preparar para fazer seu Mestrado no Exterior

Cada vez mais o brasileiro vem rompendo fronteiras na educação e buscando fontes de conhecimento que estejam além das grades ofertadas pelas universidades nacionais. O intercâmbio de cultura e de experiência é algo cada vez mais valorizado na carreira, pois o mercado de trabalho atual exige uma rápida adaptação e dinamicidade dos profissionais.

Atualmente os cursos mais buscados são os de mestrado no exterior que tem como foco atingir aqueles que tem interesse em atuar principalmente na carreira acadêmica. Na América do Sul alguns pontos já são tradicionais para aqueles que desejam, e procuram aperfeiçoar os seus conhecimentos. Países como Argentina e Uruguai são os destinos mais buscados pois além do baixo custo vários cursos já foram validados no Brasil.

Leia mais

Crise se combate com Educação. Conheça as vantagens de quem já possui Doutorado ou Mestrado.

Pesquisas apontam que o Brasil é o país entre os emergentes que possui o menor número de Graduados, Mestres e Doutores. Para alcançar grandes potencias mundiais o esforço deve ser imenso de nossos órgãos governamentais, e no momento de recessão vivido se tornar um profissional especializado é uma grande oportunidade de carreira e no mercado.

O baixo nível de escolaridade da população pode ser apontado como um dos principais fatores que levam a desigualdade social, violência e baixa aderência a cultura em geral. Uma visão de futuro e buscar fontes de conhecimento externas e países que venham facilitando e incentivando a qualificação de novos docentes.

Leia mais

Mestrado em Buenos Aires

Uma cidade rica em cultura e conhecimento. Conheça o que a capital da Argentina tem para oferecer e escolha fazer seu Mestrado em Buenos Aires.

A capital e a maior cidade da Argentina, Buenos Aires é considerada uma das cidades mais seguras do continente. Dispõe de aproximadamente 200 hotéis, e opções de hospedagem, em sua maioria na região central da cidade. Como a cidade é considerada um pólo universitário, encontra-se uma grande variedade de albergues  estudantis e residências universitárias com custos acessíveis para estudantes do interior ou de outros países.

Leia mais